O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(8) Uno [agenda]
(0) Olga [agenda]
(0) ERROR [agenda]
(0) Ela [agenda]
(3) Pogo [agenda]

Publicado por Evandro Furtado

– que publicou 95 textos no ONE.

Ocupações: Estudante de Letras (sim, isto é ocupação) e escritor amador em tempo vago.

Base de operações: Lavras/MG (por mais que eu duvide que esteja realmente aqui, às vezes).

Interesses: Cinema, música, literatura, professional wrestling e uma boa pizza se for possível.

Autores Influentes: Stephen King, Dan Brown, Agatha Christie, Paulo Coelho, Tolkien.

Objetivos: Parafraseando o Coringa de Heath Ledger: “I just do things!”

>> Confira outros textos de Evandro Furtado

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Apr
14
2014

Insanidade

O que vai fazer quando eu tocar seu coração? E arrancá-lo de seu peito, como fez comigo? O que vai fazer quando ouvir os gritos? Vai tentar salvá-lo? Será que consegue? Enfim, das sombras despertei. O pior pesadelo da humanidade acordou. Estou aqui. E não há nada que possam fazer para impedir. Estive aqui por tanto tempo e você não viu. Só tu tinhas a chave que mantinha a fera presa na jaula. Jogou-as fora. Alguém encontrou. Agora estou livre. Só penso em dano. Em morte. Em sofrimento. Sabe o que significa? Quando a vida de um homem se reduz a causar dor, em vez de buscar a felicidade? Não. Não sabe. Está sorrindo agora. Está com ele agora. Para sempre? Eu penso nisso a cada instante. A dor que me causa é incessante. Não consigo parar. Estou louco? Os sonhos se mostraram falsos. A esperança acabou. O fim se aproxima. A morte, para mim, não é uma escolha. Estou condenado a viver aqui. Só. É minha sina sofrer a cada vez. Do mesmo jeito. De novo, e de novo. Ah que os anjos guardem minh’alma. E que guardem a sua. E a dele. E todas as outras. O que pode acontecer? Essa é uma resposta que não tenho. A noite parece mais escura hoje. Mais silenciosa. Os pássaros noturnos que costumavam cantar calaram-se. O único som é o de meu coração. Ele bate. Ele chora. Ele chama teu nome. Cale-se! Ela não vem. Não vem nunca mais. Se foi. Aconteceu de novo. E como dói. Dói muito. Diferente do restante do corpo, o coração não caleja. A cada golpe ele dói do mesmo jeito. Talvez ainda mais. Oh paredes. Confidentes minhas. Podem me ouvir? É claro que podem. Podem até me responder. Posso ouvir as vozes. Dizem para… Dizem para… Matar? Sim, matar. É justo. Por tudo o que ela causou. Não. Não posso. Não é justo. Ou é? O que ela fez? Me ignorou. ignorou a minha existência! E isso é um crime? Ela sabia? É claro que sabia. Ela olhou nos meus olhos. Ela viu. E gaguejou. Deus, ela gaguejou! Isso significa algo não? Alguma esperança? Não. É o fim. A linha acabou. O sonho acabou. Bem vindo ao mundo real. Mas talvez haja um jeito. Quando encostar a cabeça em meu travesseiro. E dormir. E sonhar. E no mundo dos sonhos ela será minha. Só minha. Toda noite. Essa é minha sina. Viver a cada dia, esperando pela noite. Pelo sonho. Onde, enfim, encontrarei a felicidade. Sim, sim. É a solução. Ao menos lá eu posso ser feliz. Ao menos lá não existe dor. Não existe traição. Lá eu posso amá-la e, eu sei, ela vai me amar também. Mas não será ela. Será qualquer coisa, mas não será ela. Uma corrente elétrica. Um devaneio. Mas não será ela. Ela está longe. Onde os olhos não podem alcançar. E muito menos os sonhos.

 


Categorias: Agenda | Tags: , ,

2 Comments»

  • Cara, é difícil escrever com orações curtas e não se repetitivo com os artigos, pronomes, preposição, idéia…..cuidado com isso.

    • Evandro Furtado says:

      A ideia aqui era representar um momento de loucura. A fala ininterrupta, as repetições, tudo isso é intencional.

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério