O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(8) Uno [agenda]
(0) Olga [agenda]
(0) ERROR [agenda]
(0) Ela [agenda]
(3) Pogo [agenda]

Publicado por Evandro Furtado

– que publicou 95 textos no ONE.

Ocupações: Estudante de Letras (sim, isto é ocupação) e escritor amador em tempo vago.

Base de operações: Lavras/MG (por mais que eu duvide que esteja realmente aqui, às vezes).

Interesses: Cinema, música, literatura, professional wrestling e uma boa pizza se for possível.

Autores Influentes: Stephen King, Dan Brown, Agatha Christie, Paulo Coelho, Tolkien.

Objetivos: Parafraseando o Coringa de Heath Ledger: “I just do things!”

>> Confira outros textos de Evandro Furtado

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

May
06
2014

No Mundo dos Deuses

zeus

No Olimpo, onde os olhos dos homens não podiam alcançar, os deuses se reuniam para discutir a nova ordem das coisas.

– As coisas têm mudado ao longo dos últimos anos. – disse Zeus Júpiter. – Já não temos mais tanta influência sobre os humanos. Não fazem mais sacrifícios, ou festas, tampouco falam conosco. E sabemos que, nossa força, tendo sua fonte neles, e nossa existência, se encontra ameaçada.

– É por isso – respondeu Hera Juno – que digo que devemos voltar aos velhos métodos. Esses homens só nos respeitarão se nos temerem. Foi-se o tempo em podíamos nos sentar aqui e ficarmos de conversa fiada.

– Não seja tola Hera! – repreendeu Atena Minerva. – Em nosso atual estado não estamos em posições de fazer ameaças.

– Poderíamos lançar nossos exércitos contra eles. – sugeriu Ares Marte.

– Ou promover dilúvios. – completou Poseidon Netuno.

– Ou deixar que morram de fome. – promoveu Deméter Ceres.

– Vocês não entendem. – interrompeu Hades Plutão, parecia enfraquecido, apenas uma sombra da glória de dias passados. – Nem mesmo nos infernos temos mais poder. Lúcifer e seus demônios o têm agora. Quanto a mim, estou condenado às camadas mais superficiais do Hades, condenado a ser um mero recepcionista de almas.

– Então, qual a solução? – questionou Hermes Mercúrio.

– Talvez ela esteja chegando. – Zeus respondeu apontando o horizonte.

Montado em um corcel de oito patas, um ser de incrível poder se aproximava. E se Odin havia deixado Valhalla, era porque o assunto era sério. E o deus maior nórdico não vinha só, Thor, Loki, Freya e Balder o acompanhavam.

– Eis que o senhor das terras geladas se apresenta. – disse Zeus.

– Os tempos são difíceis, meu caro. – Odin respondia enquanto descia de sua montaria. – Alianças devem ser feitas, antes que seja tarde demais.

Antes que pudessem prosseguir sua conversa, no entanto, o Sol brilhou de uma forma nunca vista, surpreendendo mesmo a Apolo. Dos céus Rá descia e era seguido por Isis, Hórus, Osíris e Anúbis. E aquele grupo seria acrescido de Brahma, Vishnu, Shiva, Krishna e Ganêsha. Além de deuses menores, vindos de todas as partes, ao redor do mundo. E o monte Olimpo se enchia de entidades com poder suficiente para destruir a terra.

Um debate se deu nos céus. Soluções eram apontadas, discutidas e descartadas. Muitas delas se constituíam no simples fatos de destruir, por inteiro, a raça humana.

O barulho incessante das vozes foi logo interrompido por um estrondo que se deu no tempo, algo que apenas as divindades eram capazes de sentir. O ar estremeceu, a atmosfera ao redor daquele lugar se alterava, alertando a chegada de um poderoso ser que se aproximava. Seu nome era Tempus, ele não fazia parte de grupos e só respondia a um senhor. Era um mensageiro, e isso é o suficiente para se dizer.

– O que faz aqui traidor? – vociferou Zeus ao notar a presença indesejável do ser que se aproximava.

– Vigie tuas palavras, Júpiter. Nada sois diante de mim para que possas acusar-me de tal crime.

– Então não sois tu que nos abandonaste para juntar-se ao deus dos judeus?

– Me juntei sim ao Deus verdadeiro, ao único que pode clamar pelo título de Senhor dos homens. Ele sim, é feito de amor e seu único desígnio é cuidar de seus filhos.

– Mentiroso. Tirou tantas vidas quanto nós. Foi tal cruel quanto nós.

– Fatos passados de eras passadas. Em troca, ele enviou seu único filho para morrer por todos eles. E quanto a vocês? Entregaria Hércules para ser devorado por Cérbero se isso pudesse libertar os homens, Zeus? E quanto a tu Thor, se renderia diante de Jormungand se seu pai dissesse que o fizeste, sabendo que disto resultaria o futuro do mundo? Não. Nenhum de você se sacrificaria pelos homens. Ao contrário. Estão aqui, discutindo o futuro deles, como se fosse simples objetos que pudessem ser usados e depois atirados fora. Pois eu os alerto, vós, ó deuses pagãos, Yahveh mantém os olhos em vós e eis que tempos importantes se aproximam. As velhas tradições cairão de uma vez por todas. É um humano que está destinado a fazer isso. Alianças não resultarão em nada. Tu Poseidon, serás o primeiro. E um a um vocês cairão. Esta é a vontade do Senhor e assim será feito.

O mensageiro enfim, partiu. Deixando para trás panteões de deuses aterrorizados. Tempus não pôde ver, mas os olhos de Zeus mostravam uma luz diferente. Uma ideia negra crescia na cabeça do deus grego.


Categorias: Contos | Tags: ,

14 Comments»

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério