O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(0) Ela [agenda]

Publicado por Maria Oliveira

– que publicou 36 textos no ONE.

Eu escrevo, porém prefiro declarar que faço um artesanato de palavras. Muito obrigada pela visita.

>> Confira outros textos de Maria Oliveira

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Jun
15
2014

O Rei Dragão – parte 5: Biso e Bisa

No dia seguinte o maesel do guarda deixado para trás estava tão rebelde que precisou ser preso numa árvore da área externa do Palácio Real, o tratador tentou de toda maneira acalmá-lo sem sucesso. O bicho apoiava as patas dianteiras na madeira e sem força suficiente para romper o largo tronco, conseguia, ao menos, arrancar uns galhos com a tromba e atirar perigosamente nas pessoas. Caso seus relinchos pudessem ser ouvidos do aposento real já estaria morto. Ele não compreendia o motivo de ter sido separado de seu montador e passou aqueles dois dias sem comer e dormir, até que um ponto crescente na estrada pôs fim ao seu sofrimento. Finalmente seu montador voltou caminhando com dificuldade, no final de suas energias caiu aos pés do maesel.

O pesado animal delicadamente espetou a garra pontiaguda e rolou o homem de face para cima, encheu a tromba de água e despejou. O guarda piscou e debilmente procurou uma chave entre as roupas, libertou o maesel da coleira e desmaiou outra vez.

Caça Escalpos estava prestes a seguir com a comitiva de inspeção para Tendas, sem sequer pensar na possibilidade de volta do guarda. Montado em seu próprio maesel, repetiu os detalhes da missão aos guardas e acenou ao porteiro para abrir o portão principal. Para sua surpresa, uma dupla improvável aguardava-os do outro lado, o maesel, guiado pelo treinamento que comitivas são seu lugar, reuniu-se aos outros animais tendo seu montador inconsciente nas costas.

***

A Bisa ensinou Beatriz e Sabrina a confeccionar as próprias bonecas, foi uma tarde bastante divertida. Sabrina concluiu primeiro e no último detalhe Beatriz percebeu que faltava um botão para ser o olho esquerdo.

– Ah, Bêr, tenho um botão aqui na caixa para sua boneca.

– Não tem um botão igual aqui na caixinha, Bisa.

– Esses botões são do meu vestido, ele está no varal lá fora, use um da caixa mesmo, amanhã eu troco para você.

Beatriz começou uma cara de choro e Eduardo se intrometeu, “deixa que eu busco”.

Um decreto proibia a existência de um vigia, sino ou qualquer artifício de aviso à população sobre a aproximação da Guarda Real. Por isso, morar no alto da ladeira era uma vantagem para a família das gêmeas. Eduardo viu a movimentação no povoado e rapidamente entrou para avisar aos outros.

Devido o atrofiamento dos músculos, o Avô logo pediu “me ajudem aqui, as meninas precisam entrar no esconderijo!” Eduardo segurou o Avô enquanto a Avó as ajudou a passar pelo buraco. Antes de descer cada uma abraçou e beijou a Bisa e o Biso.

– Vai dar tudo certo como das outras vezes, só precisam ficar bem quietinhas, certo magrelas? – disse Eduardo antes de recolocar a tampa do esconderijo.

Ainda terminavam de reacomodar o Avô e a porta foi arrombada, entraram Caça Escalpos e dois guardas.

– Por compaixão e cuidado com seu povo, a Rainha envia sua Guarda Real em busca de crianças da geração ruim e demais perigos, assim como faz o plantador que arranca com as próprias mãos as ervas daninhas em benefício de todos que banquetearão o alimento benéfico. – o guarda anunciou como de praxe.

– Uma cena bonita, o neto cuidando de seu avô! Lembro-me de ter estado nessa casa, cheguei a pensar que não o veria novamente, ancião. Com tanto zelo, durará para ver bisnetos! Hein?

– Precisamos mudar a posição dele, às vezes sente dores. – disse Eduardo.

Um dos guardas raspou a ponta da bota num tubo sob a parte da cama ocupada pelo Avô.

– Seu penico é chique, velho.

– É uma fossa profunda, tem um barril lá embaixo e quando o Avô acumula muita… eu puxo com cordas e despejo no lugar para onde vai a mesma coisa do resto do povo. Quer que eu abra?

O Chefe sempre dispensa situações com odores incômodos, basta-lhe a sala do trono real.

– E brincar de bonecas ele precisa também?

Eduardo sentiu um calafrio, mas sua Avó manteve a calma.

– Sinto falta de minha falecida filha, assim eu recordo da época que ela era menina.

Caça Escalpos mirou os olhos de predador na única decoração nas paredes, ficou de costas para o objeto e perguntou:

– Isso é culto àquele dragão verde?

– É uma relíquia falsa, vendida na feira aos montes. Estava no mesmo lugar em todas as inspeções sem que houvesse censura. – comentou o idoso, então Caça Escalpos o esbofeteou enquanto guardas continham Eduardo.

– Se tivesse visto alguma vez que se cultua o Ururau aqui, já teriam queimado há muito tempo!

– Eduardo, resista. – aconselhou o Avô com sua voz rouca.

Caça Escalpos trespassou o Avô com sua lança e surpreendentemente a Avó reagiu agarrando a cabeça do invasor e jogando seu corpo por cima começou a sufocar o homem contra o colchão. Os guardas esperavam que o Chefe se desvencilhasse com facilidade de uma senhora, o que não aconteceu. Um deles soltou Eduardo para forçar a Avó a deixar o Chefe respirar. Uma das mãos livres era apenas o que Eduardo precisava.

Pegou a arma da família, escondido atrás da escama, havia um dente de dragão preso a um cabo de punhal. Um único arranhão no braço do guarda que o prendia foi suficiente para morte instantânea. Um segundo golpe nas costas do outro guarda teve o mesmo resultado, porém Eduardo não foi rápido o suficiente para poupar a Avó do mesmo ataque sofrido pelo marido. Eduardo fincou o dente de dragão na axila de Caça Escalpos que tombou convulsionando em espasmos de dor, e mesmo imobilizado pelo veneno, ele ria, gargalhava.

– Falsas anh? Pena que gastou o veneno antes da minha vez, encontrar a morte num dragão depois de inúmeras eras seria uma honra!

Eduardo velou os corpos dos Avós com a coberta e empurrou o casal para a outra borda da cama, ergueu o colchão e puxou as gêmeas do buraco. Vê-las encerrou a crise de riso de Caça Escalpos, que gritou mil maldições e xingamentos enquanto o trio escapava da casa.


 

O Rei Dragão – parte 6: Espinheiro


Categorias: Agenda |

3 Comments»

  • Hahahahaha, gostei da ideia de começar um capítulo pela perspectiva de um maesel. E vc ainda conseguiu um efeito surpresa ao revelar só depois que ele tinha uma tromba. 😛
    Bela cena de luta. Não esperava que a Avó fosse tão boa de briga.

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério