O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

(8) Uno [agenda]
(0) Olga [agenda]
(0) ERROR [agenda]
(0) Ela [agenda]
(3) Pogo [agenda]

Publicado por Evandro Furtado

– que publicou 95 textos no ONE.

Ocupações: Estudante de Letras (sim, isto é ocupação) e escritor amador em tempo vago.

Base de operações: Lavras/MG (por mais que eu duvide que esteja realmente aqui, às vezes).

Interesses: Cinema, música, literatura, professional wrestling e uma boa pizza se for possível.

Autores Influentes: Stephen King, Dan Brown, Agatha Christie, Paulo Coelho, Tolkien.

Objetivos: Parafraseando o Coringa de Heath Ledger: “I just do things!”

>> Confira outros textos de Evandro Furtado

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Sep
02
2014

Gritos na Madrugada

João costumava sonhar com monstros. De onde vinham aqueles pesadelos terríveis, ele não sabia dizer. Só sabia que acordava gritando.

Da última vez sonhara que estava só em uma casa abandonada. Seus pais não estavam por perto. Ele tentou gritar por seu nome, mas sua voz não saiu. Então, atrás dele, uma porta se abria. Ele não conseguia se virar para ver o que se aproximava, mas sentia a coisa chegando. E quando ela tocava seu ombro, um terror terrível o tomava.

Agora João tinha medo de dormir. Ele sabia que a coisa viria quando o sono chegasse. Qual forma ela assumiria agora? A de uma grande serpente que tentaria o engolir? Ou talvez um grande demônio vermelho com chifres pontudos, como aquele das histórias que sua mãe contava?

Seus pais tentaram, de todo modo, acabar com os pesadelos. Deixavam as luzes acesas, contavam historinhas antes de ele dormir, enfim, várias estratégias. Nenhuma delas, no entanto, aplacou a fúria da coisa que visitava João todas as noites. E ele acordava gritando.

Então levaram o homem pra psicóloga (ou a moça de branco, como João costumava chama-la), e ela explicou-lhe. Disse que João teria de parar de ver os filmes terríveis que assistia, porque eram eles que estavam lhe causando os pesadelos.

– Não, moça. – ele se defendia. – Não podem ser os filmes. Olha, eu assisto os filmes de dia, e os pesadelos só vêm a noite.

A psicóloga sorria e lhe dava um pirulito. E João saía todo sorridente. Gostara tanto dela que passara a chama-la de tia. E na última sessão ela, inclusive, lhe dera um cobertor de presente. Disse que lhe protegeria dos pesadelos.

Depois de um tempo os sonhos ruins realmente passaram. João ainda acorda de madrugada e, às vezes tem a impressão que tem alguém olhando pra ele do corredor. Então ele abraça seu cobertor bem forte, e a coisa vai embora. João volta a dormir. E sonha. Dessa vez coisas boas.


Categorias: Agenda |

8 Comments»

  • Heh, legal. Nunca subestime o poder do cobertor.
    Só tem um detalhe que, acho, foi erro de digitação, no trecho “Então levaram o homem pra psicóloga”. Será que vc não queria dizer “menino” ou “garoto”? É um adulto ou uma criança o protagonista do conto?
    Abraço o/

    • Evandro Furtado says:

      Cara, era pra ser uma criança, mas eu percebi, agora, que não deixei nenhuma indicação exceto essa. Acho que ficou legal com a imagem de um adulto, o que acha?

      • Fernanda de Oliveira Azevedo says:

        PÔ, achei maneiraço não ter necessariamente marcado a fase de vida do protagonista! Um escape… que acabou sendo genial!

  • Paulo carvalho says:

    Ok, repito o que comentei no outro. Meia pagina e uma vida inteira

  • thiago cypryanu says:

    Evandro voce escreve muito bem, mais anda deixando a desejar na criatividade, voce ja publicou 95 textos aqui no site, alguns muito bons
    Esse conto por exemplo, esta muito bem escrito, voce tem habilidade com as palavras, mais será que nao seria bom esperar mais até uma ideia melhor surgir na sua mente? dar impressao que voce escreve qualquer coisa, ai surgem historias bem escritas mais fraquinhas como essa e outras.

    https://thiagocypryanu.blogspot.com.br

    • Evandro Furtado says:

      Olá Thiago. Estive dando uma olhada e, de certa forma, você tem razão em relação a esse conto. Na verdade não me lembro porque o escrevi, mas enfim. De qualquer forma, eu não paro de escrever, se vem algo na cabeça eu escrevo e ponto. Mas resolvi dar uma organizada melhor. Estou publicando no Wattpad, se quiser dar uma olhada na minha conta, os textos estão melhores organizados
      http://www.wattpad.com/user/EvandroFurtado

  • DuArte says:

    Olá, Evandro, por um momento, não sei por que, lembrei-me de Fred Krueger enquanto lia o seu conto. O fato de você não ter revelado logo no começo que o protagonista era uma criança e não um homem foi muito bom pois nos surpreendeu. Surpreender é bom. Quando criança me lembro de pesadelos com o Minotauro (mitologia grega) que aparecer certa vez num programa infantil. E olha que o Minotauro não ficou devendo muito a Fred Krueger.

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério