O Nerd Escritor
Feed RSS do ONE

Feed RSS do ONE

Assine o feed e acompanhe o ONE.

Nerds Escritores

Nerds Escritores

Confira quem publica no ONE.

Quer publicar?

Quer publicar?

Você escreve e não sabe o que fazer? Publique aqui!

Fale com ONE

Fale com ONE

Quer falar algo? Dar dicas e tirar dúvidas, aqui é o lugar.

To Do - ONE

To Do - ONE

Espaço aberto para sugestão de melhorias no ONE.

Blog do Guns

Blog do Guns

Meus textos não totalmente literários, pra vocês. :)

Prompt de Escritor

Prompt de Escritor

Textos e idéias para sua criatividade.

Críticas e Resenhas

Críticas e Resenhas

Opinião sobre alguns livros.

Sem Assunto

Sem Assunto

Não sabemos muito bem o que fazer com estes artigos.

Fórum

Fórum

Ta bom, isso não é bem um fórum. :P

Projeto Conto em Conjunto

Projeto Conto em Conjunto

Contos em Conjunto em desenvolvimento!

Fan Page - O Nerd Escritor

Página do ONE no Facebook.

Confere e manda um Like!

@onerdescritor

@onerdescritor

Siga o Twitter do ONE!

Agenda

Agenda

Confira os contos e poemas à serem publicados.

Login

Login

Acesse a área de publicação através deste link.

Publicado por carolfortu

– que publicou 1 textos no ONE.

Eu sou a escrita, que me salva e me enterra, me é leve e absurdamente perigosa.

>> Confira outros textos de carolfortu

>> Contate o autor

* Se você é o autor deste texto, mas não é você quem aparece aqui...
>> Fale com ONE <<

Mar
08
2016

É sigilo, meu caro leitor

Morava no Leblon, bairro nobre do Rio de Janeiro.

Vinte anos, era estudante de engenharia elétrica.

Grande mente exata.

Racional e realista.

Tranquila, forte e seca – sem quase nunca se abalar, especialmente por banalidades.

Filantrópica. Sedutora. De personalidade própria expressa, principalmente, em seus modos.

Também criativa e inovadora.

Mas ela tinha um segredo. (Este, esquisito).

Ela era também um homem de setenta e um anos que vivia em uma das zonas mais miseráveis da Bélgica, na Europa.

Passivo, poeta, boêmio, inteligentíssimo, considerado insano – já tendo sido internado três vezes em hospícios – por não ser padronizado, todo à vontade em suas vestes e em sua própria face, tomando banho poucas vezes durante a semana. Sentimental, alegre, autêntico.

Ao mesmo tempo em que atuava aqui, atuava acolá.

Não era algo aparentemente impossível. Era apenas duas vidas em uma. Mas isso se traduzia em sigilo.

Ninguém sabia. Exceto uma amiga íntima de noventa e três anos da carioca que, quando esta resolveu lhe contar de fato (talvez pela idade mais inocentemente jovem do que sua outra face lá no continente europeu, mais velho e experiente com a vida), lhe exemplificou a fim de provar, e então a idosa e companheira teve um infarto, padecendo instantaneamente.

Não obstante, era duplamente penosa a tarefa de se dirigir uma vida.

Mas isso ficava só entre aquela vida dúbia e Deus – e entre suas vantagens.

 

Ressalvando que a alma era a mesma.


Categorias: Agenda |

No Comments»

RSS feed for comments on this post.


Leave a Reply

Powered by WordPress. © 2009-2014 J. G. Valério